domingo, 22 de abril de 2012

Paul McCartney em Recife: eu fui!


Esse cara feio ai sou eu mesmo, kkk
Ontem, dia 21 de abril, foi um dia inesquecível para os amantes da música aqui em Pernambuco, tivemos o privilégio de assistir a um show de nada mais nada menos que: Paul McCartney. Falar dele é chover no molhado, um cara talentosíssimo, fez parte da maior parceria musical de todos os tempos, Lennon/McCartney, fez parte da maior e melhor banda de todos os tempos, The Beatles, tem uma longa e bem sucedida carreira solo, e hoje, com 69 anos de idade, com todo o gás e vitalidade, ainda continua correndo o mundo cantando, tocando, e influenciando as novas gerações com seu talento ímpar.


Lembro quando tinha 12 anos, em 1984, na antiga TV Manchete, passou um clipe dos Beatles, era “Hello Goodbye”, e pirei naquilo, foi amor à primeira vista, e de lá pra cá, venho apreciando e curtindo os Beatles, reconhecendo que foi a melhor coisa que aconteceu na música mundial, desde Mozart e Beethoven. O talento e a genialidade de Lennon/McCartney extrapola os limites da criatividade de qualquer ser humano, e falo isso sem cair em hipérboles. Todo o material que os Beatles compuseram foi o suficiente para, não somente influenciar seus contemporâneos, como as gerações subsequentes, como também dividir a história da música em todos os tempos como “antes e depois de Beatles”.

Bem, agora falando um pouco do show de ontem, larguei do sábado de manhã do meu plantão, fui resolver algumas coisas e voltei às 14 h, tirei um cochilo, levantei às 16:30 e comecei a me arrumar pra sair às 18:00, os portões do Arruda abriam lá pelas 17:30, e olhe que tinha gente acampada na frente do estádio desde a manhã da sexta-feira, mas achei melhor ir perto de começar o show. Chegando lá, muita gente, mas muita gente mesmo, e eu, e mais dois amigos, Thiago Jesus e outro, chegamos lá pelas 19:30, e o estádio já estava quase lotado, ficamos na arquibancada superior, um pouco longe, claro, mas desembolsar 600 reais pra estar no gramado perto do palco estava fora de cogitação, o importante era estar lá.

Como um bom britânico, ele apareceu no palco às 21:30, hora prevista para começar o show, lembrando que, levei minha maquina digital e minha filmadora handcam dentro de uma caixa de biscoito sortidos, kkkkkkkk, sim, pois segundo as regras do show não era permitido entrar com nenhum tipo de equipamento eletrônico, principalmente filmadoras, mas quis arriscar, e passei por 4 revistas no estádio, na quarta, abriram minha mochila novamente e barraram minha água (né lasca, a água lá dentro estava mais cara que no deserto do Saara), mas ainda bem que entrei com meus equipamentos de “trabalho”. Como estava um pouco escuro, as fotos não ficaram legais, mas a filmagem ficou show, das 3 horas de show, consegui filmar 1 hora cravada, pois a bateria foi embora, registro que ficará para a posteridade como relíquia.

Bem, mas vamos ao que interessa, Paul é um cara surpreendente, alegre, interativo, brincalhão, ensaiou várias frases em português, e ainda um “boa noite pernambucanos, boa noite recifianos”, demais. O repertório passeou desde os Beatles, Wings e sua carreira solo até hoje. O que me impressionou foi sua vitalidade, nas 3 horas de show, ele pouco bebeu água, estava ensopado de suor, e deu 3 paradas de uns 5 minutos, mas a apresentação foi intensa. O que me chamou a atenção também foi que, algumas músicas dos Beatles, como Helter Skelter, e outras, ele ainda cantava no mesmo tom, e mesmo com a voz pesada e cansada pelos  mais de 50 anos de estrada, ele chegava lá no tom, com dificuldade mais chegava. Também gostei do ambiente do espetáculo, tranquilo, bem família, tinha pessoas de todas as idades, nenhum incidente ou algo parecido, enfim, fui e voltei tranquilamente.

Enfim, foi um evento que não me arrependi de ter ido, ficará marcado em minha vida de forma indelével. E acredito que não terei outra oportunidade de vê-lo, essa foi a primeira e última chance de ver um cara que mudou a história da música moderna de forma grandiosa. Pude conferir de perto a apresentação de um cara que, não só fez parte de minha adolescência até agora, e que me forjou minha formação musical, como também influenciou gerações e gerações mundo afora, sai de lá regozijado de ter presenciado um gênio de primeira grandeza em plena forma, mesmo depois de 50 anos de luta, e sai de lá reconhecendo a graça comum de Deus nos seres humanos, dotando-os de talentos e dons, e o Paul foi e é um cara agraciado por Deus pelo seu excepcional talento. Valeu à pena.

Obs:  as fotos ficaram um pouco escuras, e a as filmagens que fiz em minha câmera digital para postar no Youtube só consegui postar esse vídeo aqui abaixo, mas depois vou ver se converto a filmagem de minha filmadora para postar na íntegra no Youtube.

Paulo Cheng

20 comentários:

  1. Galera, como valeu à pena o show do Paul, quanta vitalidade e espontaneidade, fora que estava em frente da história viva da música, curti cada momento do evento, foi único e inesquecível.

    ResponderExcluir
  2. bah ele tocou aqui em porto e eu não fui. Sei que todo amante do rock que se preze tem que ir independente se gosta ou não. Mas se o ingresso custasse 50 reais eu até concordaria, mas pagar 300 reais para um show que o cara não gosta muito acho que não é válido (ou é vai de cada um hahaha).

    É meu chapa, mais admiro o Beatles do que gosto. Assim é com outras bandas também, como o Iron. Respeito muito mais do que gosto.

    Mas com certeza, Paul no Brasil, em várias capitais é um marco. Acho muito interessante que o Brasil volte a entrar na lista de turnês de grandes shows, e principalmente não só Rio e Sampa, e sim outros estados também.

    Aqui em Porto Alegre não posso me queixar, tem vindo MUITO show, coisa que era surreal imaginar alguns anos atrás.

    Abraçãoo

    ResponderExcluir
  3. Jim, paquei 160 pelo ingresso, mais não pagaria, o maior ingresso foi o de 600 reais, no gramado, de frente para o palco, mas mesmo longe do palco, curti cada momento.

    ResponderExcluir
  4. Olá Paulo!

    Imagino que tenha sido um evento fantástico, afinal é o mais próximo que podemos chegar hoje de ver algo dos Beatles ao vivo... Eu acho que pagar pelo ingresso deve ter valido cada centavo! É um show para se lembrar para a vida toda!

    Forte abraço meu caro!

    ResponderExcluir
  5. Que legal e aqui em P.Alegre ele esteve ,mas não fui.

    Bom que conseguiste!!! abração,chica

    ResponderExcluir
  6. Sim, mesmo se fosse 1000 reais. Um show de um Beatle vale cada centavo.

    Só quis dizer que eu não paguei e não me arrependo. Mas quem pagou tenho certeza absoluta que valeu MUITO. É um show que nunca mais sairá da memória.

    Que nem o do Rogers Waters que teve aqui uns 15 dias atrás. Valeu cada centavo investido.

    O importante é estar lá. Independente do espaço que se ocupe no estádio! hahá

    Abração véinho!

    ResponderExcluir
  7. Oi paulo, nossa adoro o Paul MacCartney...Um ótimo cantor,eu gostava muito de todos os Beatles, mas prefiro o Paul sozinho, não sei tenho uma preferencia especial por ele, afinal chegar aos 69 anos e estar com esse vigor de 17 não é para qualquer um...Acho que qualquer pessoa que se preze iria adorar ir ao show do Paul...Até te invejei um pouco hehehe...brincadeira ;)

    www.amaralstarlight.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Ah, só para terminar to te seguindo ;P

    http://amaralstarlight.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi Paulo, meu querido irmão.

    Uma boa noite abençoada para você e sua família.

    Amei o seu texto!Adoro o Paul, pelo talento, força e claro, respeito e humildade em seu caráter.

    A turma aqui em Maceió foi em peso ao Recife assisti ao show e pelo que eu soube ele em várias ocasiões falou português com a plateia.

    Mil aplausos!

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  10. Cheng, imagino sua felicidade ao ir nesse show! Eu sou dessas, se quero muito ir, dou um jeito. Ano retrasado fui assistir uma das bandas que mais aaaaaaaamo nesse mundo... haahhahahah... rammstein! Saí de Gyn pra sampa num dia, para voltar no outro(avião, claro!). Não me arrependi do bate e volta! Valeu a canseira!

    abração

    ResponderExcluir
  11. Que legal Chengão! Deu até pra sentir a sua alegria daqui! Parabens cara. O Paul é mesmo "o cara".

    Tenha uma semana abençoadissima!

    ResponderExcluir
  12. quem entende o que é arte inspiração música vocação evocação romantismo satisfação dedicação invocação determinação vibração musical sempre se satisfará em reconhecer que tem nos anais da ancestralidade contemporanea moderna um icone da suprema e eterna poesia cantada independente de que ritmo seja pois mais vale um coração e uma alma alegre do que uma vida angustiada

    ResponderExcluir
  13. Paulo, mas ooooohh guri!
    Que legal!
    Parabéns pela oportunidade aproveitada e pelo ótimo post e texto. Bacana! Percebe-se o quanto você ficou feliz e se realizou com esse show.

    Grande abraço e ótima semana!

    ResponderExcluir
  14. Ola Paulo,
    Que legal! Ver ao vivo esses dinossauros não tem preço, discordando do nosso amigo Jim.(acima) Esse é daqueles para ir e ficar marcado para sempre em nossa história de vida!

    Agora não concordo, rsrsrsr... a maior parceria da história do rock é Jagger/Richards e a maior banda de rock de todos os tempos é Stones, claro! rsrrsrsrsr...(brincando)...

    Engraçado que exatamente hoje falei (dentro de um conto) sobre os Beatles e aquele velho e polemico caso da morte de Paul.


    Abraços Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  15. Macedo da Silva, Natal, RN.


    Muita gente aqui de Natal formou caravanas e foram para esse show ai em Recife, e com certeza não se arrependeram. O que falar desse monstro sagrado da música, como você bem frisou no seu texto, é chover no molhado, e deve ter sido uma experiência única para ti, onde levará para toda a vida, e já tem história pra contar para seus netos, que viu de perto um ex-beatle vivo tocando, parabéns amigo.

    ResponderExcluir
  16. Oi Paulo
    Minha mãe tem um ditado que diz "mais vale um gosto, do que dinheiro no bolso". Eu cresci ouvindo Beatles, por causa dos meus irmãos, não sou tão fã assim, mas acho que eles são muito bons senão não fariam tanto sucesso quanto fizeram e fazem ainda. Que legal que vc realizou um sonho, a música é algo divino mesmo, que une as pessoas.
    Bjão e uma ótima semana.

    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. Paulo, com esse bom momento que o Brasil vive no setor de sua economia, em ampla expansão, o nordeste passou a ser uma nova rota de grandes shows no país, saindo da mesmice de sempre, pois quando se quer ver um grande evento, ou tem que ser no Rio ou em São Paulo, e isso é muito bom. O grande sucesso do show desse fantástico Paul McCartney é uma prova disso. Paulo, você tem todo tino para repórter viu, conseguiu se infiltrar com uma filmadora e driblou toda segurança para registrar esse grande momento. Fantástico! Grande abraço.

    ResponderExcluir
  18. Chengão!!!
    TU viu o Paul!!! Que dá hora1 Adorei sua aventura ahsashash muito legal a narrativa contando sobre! Me fez lembrar quando vi o Morrissey *.8
    ada se compara quando vemos ao vivo o show de um artista que gostamos não é mesmo? Parece que nos fundimos á música!

    ResponderExcluir
  19. Parabéns, Paulo, por esse momento único na vida!

    ResponderExcluir

Olá queridos, você está em meu site, o paulocheng.com, um espaço onde eu escrevo e posto minhas impressões, meus devaneios, minhas inspirações e sandices, desde já agradeço pelo acesso, lembrando que você não é obrigado a comentar, pois não há uma obrigatoriedade ou imposição, caso você não ache interessante ou esteja com preguiça, não tem problema, o que quero aqui é o prazer acima de qualquer coisa, e não obrigatoriedade, ok? Que Deus possa te abençoar em Cristo Jesus.