terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Escravo de si mesmo



O ser humano se agarra a qualquer coisa que lhe satisfaça. Lhe complete. Lhe deixe extasiado de prazer embora seja só por alguns momentos. Momentos esses que faça desaparecer de sua natureza a depressão e o vazio que sente em seu intimo. Que tanto lhe aterroriza e quase lhe faz desvanecer.

Mas ao invés desse ser tentar compreender e preencher essa lacuna que dele se apoderou. Ele se apega ao que for mais atraente e mais fácil julgando ser esse o melhor caminho, mas que desengano quando ele descobre que foi tudo em vão. E mesmo assim ele insiste em não querer mudar de vida e nem querer trocar o que tanto lhe maltrata, lhe degrada, lhe martiriza pelo que realmente lhe preenche de verdade e mesmo sabendo o que é jamais aceita essa realidade e cada vez mais se aprofunda nessa insanidade.

Age igual aos seus ancestrais usando de artifícios, se dobrando e se encurvando diante de seus ídolos e, às vezes, até constroem para si deuses se prendendo aos tais, se tornando escravos e se desgarrar não são mais capazes.

Texto do poeta olindense, Carlos Braga

10 comentários:

  1. O Carlos Braga é um cara que ama escrever, e escreve seus textos e poemas com simplicidade, sentimento e paixão, nesse texto ele expõe a frustração das pessoas que se apegam a falsos valores e erigem altares com falsos deuses, não os de religiões, mas os falsos sentimentos. Excelente.

    ResponderExcluir
  2. Mas somos serem primitivos ainda. Devemos evoluir e muito ainda. Necessitaremos de muitas idas e vindas para chegarmos num patamar complexo de sabedoria. Seja nessa vida, na outra ou em outra dimensão. Sem entrar no quesito crenças.

    É difícil julgarmos o que é felicidade. Há pessoas que são felizes orando, outros escrevendo, outras bebendo e outras curtindo o momento, independente de qual seja.

    Enfim...

    Belo texto, mesmo que eu tenha olhe ele por outro lado. ;)

    Abss!

    ----
    Site Oficial: JimCarbonera.com
    Rascunhos: PalavraVadia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Linda crônica de Braga e falta muito para nós ainda...abração,chica

    ResponderExcluir
  4. Macedo da Silva, Natal, RN.

    Um poema curto e objetivo, realmente nos aprisionamos em caminhos sem saída, seja um sentimento, um vício, pessoas, enfim, creio que o nosso maior inimigo somos nós mesmos. Muito bom esse texto do poeta Carlos Braga, parabéns a ele.

    ResponderExcluir
  5. Olá Chengão, meu irmãozim marélim!

    Rapaz, esse texto é bem verdadeiro e direto! O autor não precisou de muitas linhas pra dar seu recado!
    Legal Chengão! Gostei muito!


    Um belo dia pra vc e a Michel! Deus os abençoe!

    ResponderExcluir
  6. Bahhhhhhhhh... como esse texto é verdadeiro!
    Eu tenho visto tanta gente assim, ultimamente.
    E que povo vazio e cabeçudo... o pior é a gente não saber o que dizer, porque insistem na infelicidade e da escravidão em torno do próprio umbigo!

    Poxa, quase não soube como comentar aqui... depois é que vi que tem link... rsssss

    ResponderExcluir
  7. Oi Paulo,

    Poema intenso e verdadeiro! As correntes sempre são mais pesadas quando não são entendidas e aí a fuga se torna o caminho mais curto.

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  8. Acho que o ser humano deveria se apegar mais à Deus.Não a religião em si,mas na palavra de Deus,no amor ao próximo,ser mais solidário,generoso,amoroso,só assim encontrará a paz que tanto precisa.Quer coisa melhor do que fazer alguém sorrir de alegria?
    Ta bacana o blog Paulo.
    Bjc

    ResponderExcluir
  9. devo reconhecer mesmo sem merecer que ambos tem uma alma generosa louvavel elogiavel aprazivel agradabilissima terna pura sincera maravilhosa maviosa aconchegante e dignificante revigorada de harmonia emoção simpliçidade e nostalgia com intensa e irradiante energia. muito grato por tão esmeradas e bélas personificações em respeito aos meus escritos. e em apreço a todos desejo momentos de ensejaveis alegrias que por saber das vossas existençias de gozo agradeçimento e reconheçimento a deus por voces suplico

    ResponderExcluir

Olá queridos, você está em meu site, o paulocheng.com, um espaço onde eu escrevo e posto minhas impressões, meus devaneios, minhas inspirações e sandices, desde já agradeço pelo acesso, lembrando que você não é obrigado a comentar, pois não há uma obrigatoriedade ou imposição, caso você não ache interessante ou esteja com preguiça, não tem problema, o que quero aqui é o prazer acima de qualquer coisa, e não obrigatoriedade, ok? Que Deus possa te abençoar em Cristo Jesus.