terça-feira, 21 de setembro de 2010

A Insustentável Leveza das Palavras

Tenho um apreço tremendo pelos escritores. São pessoas dotadas de dons nos quais usam e manipulam ao seu bel prazer as palavras, transmutando-as em textos, sínteses, teses, poemas, poesias etc.
Nutro uma admiração em particular pelos poetas. Não sei como, mas eles conseguem, com poucas palavras, condensar histórias, pensamentos, sentimentos, elogios e dissabores numa fineza literária e beleza poética que envolvem nossa alma com um frescor e profundidade didática sem igual.

Gostaria de me tornar um escritor. Até produzo alguns textos, amo a escrita, mas no geral me detenho em fazer comentários e opiniões a partir de circunstâncias e fatos cotidianos, por isso, na maioria das vezes, são textos densos e de difícil digestão, sem muita beleza poética ou rima (inclusive, alguns desses textos posto-os aqui neste blog sob a alcunha de Rico Cheng – na verdade meu nome é Paulo Henrique Costa Cheng, Rico vem de Henrique e Cheng, de Cheng mesmo) .

Admiro também o Douglas Pimentel, também escritor deste blog. Gosto de suas sacadas geniais e seu senso de humor em amealhar fatos quase insignificantes e pitorescos e torná-los agradáveis e cômicos, ótimo talento. Até tento fazer alguma coisa mais melíflua, poética, mas quando tento, travo, o universo gramatical desaparece como num passe de mágica e as palavras escasseiam. Realmente dou a mão a mão à palmatória, poesia é para quem tem o dom, por isso não me atrevo a trilhar esta senda que é para pouquíssimos mortais.

Mas apesar de não ter este talento para escrever poemas e poesias, os leitores deste blog não ficarão a ver navios. De vez em quando, vou postar aqui alguns poemas de uma escritora amiga minha chamada Margarida Alves que mora aqui em Olinda, PE. Ela tem um talento incrível para redigir poemas e poesias e logo abaixo vocês irão conferir mais umas de suas criações. Com certeza o seu talento é um dom provindo de Deus. Deleitem-se:

“O Espaço
Então fez-se o espaço
Espaço esse com espaços
Espaçoso, livre, largo
Cheio de áreas livres
Sugere liberdade, voo ao ser
Ser esse ansioso por espaços
Sedento do livre, do liberal, do libertino
Liberdade ao extremo, gritando por ar
Ar esse antes sufocante por falta de espaço
Agora gritante de alívio, obtendo agora grandes espaços
Espaços esses livres de apertos de todos os lados
Que até espiritualmente se sentia sufocado
Sufocado por objetivos sem respostas
Sonhos impossíveis, desejos irrealizáveis
Almejando ansiedade, sofrendo dependência
Inconstância de desejos infinitos e sedentos de realizações
Esses espaços almejados agora são reais
Agora é ser livre, poder se deslocar livremente
Se sentir como nunca antes poderia e o sorriso agora vem
Agora é o momento do sim, do agora, do momento de paz
Paz em saber e sentir a presença da liberdade
Liberdade do ser, do viver, do ter, do realizar
Liberdade inconstante e desejada por todos
Liberdade de vôos altos, infinitos!”


 Margarida Alves.

4 comentários:

  1. obg amore pelo elogio...fk a vontade...tem mais vindo ae..espero q aprecies tbm...bjks! :*

    ResponderExcluir
  2. Marcelo Crispim - Santa Catarina.

    Um belo poema, muito bem escrito Margarida. Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Realmente mais um belo poema dessa garota. Muito talento e sensibilidade.

    ResponderExcluir

Olá queridos, você está em meu site, o paulocheng.com, um espaço onde eu escrevo e posto minhas impressões, meus devaneios, minhas inspirações e sandices, desde já agradeço pelo acesso, lembrando que você não é obrigado a comentar, pois não há uma obrigatoriedade ou imposição, caso você não ache interessante ou esteja com preguiça, não tem problema, o que quero aqui é o prazer acima de qualquer coisa, e não obrigatoriedade, ok? Que Deus possa te abençoar em Cristo Jesus.